terça-feira, 7 de janeiro de 2020

7 dicas para poupar nos saldos em Paris!



Amanhã, dia 08 de Janeiro, começa em Paris os tão esperado saldo de inverno, a ocasião de comprar tudo o que você deseja poupando bastante dinheiro. Este ano, os saldos durarão apenas 4 semanas, ao invés das 6 semanas em anos anteriores. 
Nosso blog preparou algumas dicas para que você possa aproveitar ao máximo os saldos parisienses sem estresse e economizando o máximo possível!

1 - Aproveite as Ventes Privées e afins...

Uma ou duas semana antes dos saldos, várias marcas resolvem antecipar as promoções para os clientes fiéis, fazendo as famosas ventes privées (vendas privativas). Verifique se a sua loja ou marca preferida realiza alguma promoção. Algumas marcas fazem este tipo de promoção apenas para compras online, outras para compras online e na loja física. Não perca tempo, dê uma checada no web site as promoções antecipadamente, pois você terá mais chances de encontrar os modelos e tamanhos que deseja. 

2 - Se inscreva nas newsletters e siga nas redes sociais

Ok, você detesta receber publicidade toda hora, mas na hora dos saldos, a melhor forma de ficar por dentro das promoções antes de todo mundo é seguindo suas marcas preferidas (ou lojas) nas redes sociais. Então siga e se inscreva nas newsletters para ficar sabendo das promoções antes de todo mundo. Durante a black friday deste ano graças a estar inscrito na newsletters do Amazon, consegui um Apple Watch 4 pela bagatela de 329 euros. 

3 - Saiba o que vai comprar

Muita gente fica perdido nos saldos por simplesmente não ter se organizado antes para saber o que vai comprar. Durante os saldos é preciso ser proativa (o) e organizar sua lista de compras. Saiba exatamente o que vai comprar. Se precisar de roupas, por exemplo, saiba o seu tamanho, e tente experimentar na loja antes, assim você evita retornos por problemas de tamanho (caso a loja não tenha mais o seu tamanho na hora da troca você poderá perder a oportunidade de comprar aquela roupa desejada em promoção). Uma dica interessante para quem compra online é colocar todos os produtos desejados no carrinho antes dos saldos, desta forma basta fechar a compra assim que os saldos começam. As chances de consegui o que você deseja é bem mais alta. 


4 - Cuidado com as falsas promoções

Embora os saldos sejam regulamentados pelo governo francês, algumas marcas e comerciantes inescrupulosos podem inflar os preços antes e depois baixá-los durante os saldos. Outros comerciantes podem simplesmente vender todo o "lixo" do estoque como coleção atual. Para evitar cair em ciladas como estas é melhor se organizar antes, saber o que vai comprar e seu respectivo preço antes dos saldos, como já mencionei acima. 

5 - Prove na loja e compre pela internet

Esta é uma astúcia utilizada por muitos franceses. Por que? Porque simplesmente toda compra que é feita pela internet você tem um direito de retração num prazo de 14 dias, independentemente do motivo (ou do produto estar em saldo ou não). Não gostou do que comprou? Pode mandar de volta sem problemas e pedir a troca ou reembolso. Quando você compra na loja física, esta regra não se aplica e depende da política de troca de cada loja ou marca. A melhor forma de saber se produtos em saldos comprados em lojas físicas podem ser trocados é perguntando e lendo no cupom fiscal as condições de troca, se elas existem ou não. Esta informação é obrigatória e está marcada normalmente no final do cupom fiscal. Cheque bem!

6 - Fique de olho na garantia!

Não é porque o produto está em saldo que ele não tem uma garantia legal. Para roupas e sapatos, a garantia na França é determinada pela marca, fabricante ou loja. Para eletrônicos e eletrodomésticos a garantia legal é geralmente de 6 meses, podendo se estender a 1 ou 2 anos, exatamente como no Brasil. Para produtos em saldos, se informe com o vendedor. 

7 - Nada de compras por impulso

Se você é daqueles que possui peças de roupas ou produtos que nunca usou ou usa com pouca frequência, você pode ser um consumidor impulsivo. Um estudo realizado durante a última black friday aqui na França revelou que 50% dos consumidores franceses pretendiam comprar algo que não necessariamente planejaram ou precisavam, ou seja, comprar por impulsão apenas para aproveitar a "oportunidade". Se você não quer gastar de dinheiro em vão e se encontrar com o guarda-roupas abarrotado de peças que você vai doar ou jogar no lixo depois (mesmo sem ter usado muitas delas), o melhor é se controlar (como já disse) e planejar as compras. 

Gostou das dicas? Tem outras sugestões de como aproveitar os saldos parisienses? Não deixe de participar nos comentários ou pelas nossas redes sociais. Até breve! 

sábado, 23 de novembro de 2019

Greve geral na França dia 5 de dezembro: O quê para?

Em 1995 greve geral paralisou a França por 2 meses em meio. 
Se você tem viagem marcada à França no mês de dezembro é melhor ficar atento ao movimento de greve geral com previsão de início no dia 5 de dezembro e que pode durar dias ou semanas, como a grande greve geral de 1995, que paralisou a França por mais de 2 meses. Por enquanto, é melhor se prevenir para os dias 4, 5, e 6 de dezembro, quando o movimento grevista deve começar com força total.

A maior parte dos sindicatos franceses espera uma mobilização de grande adesão, principalmente no setor de transportes, que deve ser duramente afetado pelo movimento. A greve tem como objetivo se opor a reforma das aposentadorias proposta pelo governo do presidente Emmanuel Macron. Pelo texto da reforma, várias categorias com regimes especiais, perderiam vantagens e teriam que trabalhar mais tempo antes de se aposentar. 

Mas quais os setores que serão afetados pela greve do dia 5 de dezembro na França? 

Transportes públicos


Estima-se que os trabalhadores do transporte público vão aderir em massa ao movimento grevista. Trens, ônibus, metrôs e até o TVG (trem de alta velocidade) devem ser paralisados. Em Paris, o governo está tentando assegurar com os grevistas um serviço mínimo, mas até agora, em virtude da grande adesão ao movimento, a previsão é de que a maioria das linhas de metrô de Paris, asseguradas pela empresa RATP, parem de funcionar. Os trens RER também devem parar. 

Aeroportos


A adesão de controladores de voo não foi muito intensa. A previsão é que o serviço mínimo seja assegurado nos aeroportos, o que pode, mesmo assim, provocar anulações e atrasos em vários aeroportos do país. Vários sindicatos que representam os funcionários da Air France solicitaram aos funcionários a adesão em massa ao movimento.

Transporte de cargas


Além do transporte público, sindicatos de caminhoneiros também estão se mobilizando para parar no próximo dia 5 de dezembro, o que pode atrasar entregas de mercadorias e alimentos em plena época de natal. 

Correios - O La Poste, serviço de correspondências público/privado da França também promete adesão ao movimento grevista do 5 de dezembro. Aliás, o La Poste já está em movimento de greve há algumas semanas. 

Educação - Quem também promete parar no dia 5 de dezembro são os professores e estudantes. Os profissionais de educação temem que a reforma possa afetar suas aposentadorias. Já os estudantes prometem também entrar em greve pra denunciar a precariedade em que muitos vivem, além de solicitarem um aumento das bolsas de estudo. Recentemente, um estudante de Lyon tentou se suicidar por não conseguir viver com a ajuda de custo oferecida pelo Estado, fato que causou grande comoção nacional. Hoje na França, 20% dos estudantes vivem na linha da pobreza e pouco mais de 50% precisam conciliar trabalho e estudo.

Hospitais - Já em movimento de greve há várias semanas para denunciar a falta de recursos dos hospitais públicos, médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde também devem aderir a greve do 5 de dezembro. Apenas o serviço mínimo será assegurado. 

Polícia - Alguns sindicatos de policiais informaram que parte dos profissionais internos devem aderir ao movimento de greve, afetando serviços como investigações e boletins de ocorrência. Algumas delegacias também poderão ser fechadas. 

Coletes amarelos - apesar da baixa adesão, os coletes amarelos continuam se manifestando na França há mais 1 ano. Eles também prometem aderir ao movimento de greve, o que pode afetar o funcionamento de empresas privadas. 

Negociações - O governo vem tentando negociar com os sindicatos, mas sem sucesso. Ontem, 3 grandes sindicatos que estavam em cima do muro saíram decepcionados da sala de reunião. Por enquanto a previsão é de que se o governo não recuar, a greve vai mesmo acontecer. Por isso, se você tem viagem marcada a França em dezembro (ou mora na França e pretende viajar nesta época) fique atento as notícias antes de decidir reorganizar sua viagem ou não. 

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Conheça o Revolut, cartão de crédito grátis que te salva das altas taxas de bancos em viagens internacionais



Prestes a chegar ao Brasil (provavelmente no que vem) o cartão Revolut é uma verdadeira revolução para aqueles que viajam ao estrangeiro e não querem pagar as altas taxas cobradas pelos bancos e cartões tradicionais. 



Na Europa, mais de 8 milhões de clientes já usam o Revolut. Eu o utilizo em todas as minhas viagens fora da União Europeia e no Brasil. Pra ser sincero, evito usar o meu cartão de crédito francês quando viajo para fora da Europa, assim evito taxas de câmbio desvantajosas e eventuais surpresas desagradáveis no final do mês, como cobranças duplas (o que já me aconteceu 😤) e taxas suplementares. Com o Revolut é possível acompanhar todas as suas transações com transparência, em tempo real e através do aplicativo. Tudo funciona perfeitamente!


Como funciona o Revolut?


O Revolut é um cartão de crédito pré-pago que te permite comprar e sacar dinheiro em mais de 150 países sem taxas e com a melhor conversão de moeda, ou seja, sua compra ou saque será convertido  praticamente igual a cotação que você pesquisa no Google. Existem três tipos de cartão Revolut: 


             STANDARD 

A clássica e eficiente conta gratuita (a que eu tenho). Nesta conta você tem direito a comprar em 150 moedas sem pagar taxas. Já os saques sem taxas são limitados a 200 euros por mês. Acima deste valor você paga uma comissão por saque de 2%. Ok, existe uma comissão, mas mesmo esta comissão de 2% ainda é mais baixa do que o valor cobrado pelos bancos tradicionais.  A dica que dou para quem quer pechinchar é evitar sacar dinheiro toda hora. Tente pagar todas as suas compras, restaurantes, etc com o Revolut e só saque se realmente precisar, pois para pagar, as transações são inteiramente gratuitas! 

                                                            PREMIUM


Todas a vantagens do Standard, sendo que o limite de saque sem taxa de 2% aumenta para 400 euros mensais. Inclui ainda seguro por perda de bagagem, além de outras vantagens. o Revolut Premium custa 7,99 euros por mês.



METAL


A versão Revolut para quem quer abandonar de vez seu banco europeu. Esta versão tem todas as vantagens do Standard e do Premium, com o limite de saque de 600 euros sem pagar a taxa de 2%. O Revolut Metal custa 13.99 euros e inclui ainda vantagens como acesso a salas vips em aeroportos, cashback nas suas compras, seguro saúde e viajem, entre outros. 


Quem pode solicitar o cartão Revolut?


Por enquanto apenas quem reside na união européia. Portanto, o Revolut promete que chegará ao Brasil em 2020 (ainda sem data definida). Existe até uma lista de espera para quem deseja se inscrever e estar entre os primeiros a solicitar o Revolut Card. 


Como solicitar seu Revolut?


Basta acessar o site ou baixar o aplicativo (o aplicativo pode ser configurado totalmente em português). Se você solicitar o Revolut GRATUITAMENTE através do nosso link https://revolut.com/referral/herber79d!a10121 , você receberá ainda 15 euros de bônus. Para isso basta se inscrever, pedir seu cartão, realizar uma recarga de 10 euros e fazer a primeira compra. Os 10 euros da recarga não são uma taxa é apenas uma forma que a Revolut utiliza para verificar sua identidade e validar seu cartão. Você pode usar os 10 euros na sua primeira compra 😉. Aproveite, a promoção da carta gratuita + os 15 euros é válida até o dia 9 de dezembro de 2019. Como já foi mencionado, apenas quem reside na União Europeia pode solicitar o Revolut (pelo menos por enquanto). 

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

Multa de R$ 610 para quem andar de patinete nas calçadas de Paris


São mais de 20 mil patinetes elétricos em Paris. De todas as cores e marcas, eles chegaram com a promessa de facilitar o deslocamento na capital francesa. Mas a ausência de regras e de segurança transformou este tipo de transporte num grande problema de mobilidade. 

Invasão das calçadas, circulação em vias proibidas, estacionamento em local inadequado e mais de 170 acidentes todos os dias. Estas foram algumas das razões pelas quais a prefeitura de Paris resolveu regulamentar a utilização destes equipamentos. A regulamentação entrou em vigor no último dia 25 de outubro de 2019.

A partir de agora, usar patinetes elétricos em Paris tem regras e você que vive ou está visitando a cidade luz deve ficar atento para evitar as multas, que estão mais que salgadas. Nosso blog preparou um resumo de como utilizar os patinetes dentro da lei em Paris. Confira:

Onde posso utilizar patinetes elétricos em Paris?

Está autorizado o uso de patinetes elétricos por maiores de 12 anos em todas ciclovias parisienses. Circular nas calçadas é completamente proibido. Em locais onde não há ciclovias os patinetes devem circular pelas vias limitadas a 50 km/h, como as faixas de ônibus. Casos de desrespeito a lei podem ser multados em 135 euros (cerca de 610 reais). 

É preciso usar capacete ou equipamento de segurança?

Não é obrigatório, mas indicado. Caso não possua capacete ou outro tipo de equipamento de segurança você não corre o risco de ser multado.

Posso escutar música enquanto ando de patinetes?

Não. O uso de fones de ouvido é proibido e a multa para os desobedientes é de 35 euros.

Posso andar de patinete elétrico a 2?

Não, nada de andar de patinete a dois. A não ser que esteja disposto a correr o risco de pagar uma multa de 135 euros. 

Qual a velocidade máxima permitida nos patinetes elétricos?

A velocidade máxima permitida é de 25km/h. Ultrapassar esta velocidade pode acarretar uma multa salgada de 1500 euros (3 mil euros em caso de reincidência).

Onde estacionar os patinetes elétricos?

Esta proibido estacionar os patinetes elétricos nas calçadas ou nas vias públicas. Para evitar a multa de 35 euros você deve estaciona-los nas vagas de estacionamento na rua (carro ou moto). A prefeitura de Paris está ainda criando 15 mil vagas de estacionamento para os patinetes. E nada de tentar dar um jeitinho e estacionar o patinete na calçada se ninguém estiver vendo, pois a prefeitura de Paris poderá pedir a empresa responsável pelo patinete os dados da última pessoa que o utilizou e aplicar a multa. 

sábado, 2 de novembro de 2019

Quanto custa comprar ou alugar um imóvel em Paris?

Na conversão atual é preciso 45 mil reais para comprar apenas 1 metro quadrado na capital Francesa


Viver em Paris não está fácil nem mesmo para os franceses. Com a média do metro quadrado ultrapassando os 10 mil euros, muitos parisienses vem encontrando dificuldades para se alojar na capital francesa. 

Um estudo recente da associação "Notaires du Grand Paris", divulgada pelo Jornal Le Monde, revelou que em 10 anos, os imóveis em Paris se valorizaram 62% em alguns bairros. Em 2008, por exemplo, era possível comprar um apartamento de 50 metros quadrados em Paris por 200 mil euros (4 mil euros o m² no bairro mais popular) ou 400 mil euros (o dobro, num bairro mais nobre). 

Atualmente, para se adquirir os mesmos 50 metros quadrados, seria necessário desembolsar mais de 500 mil euros (o equivalente a 2 milhões em duzentos mil reais) por um simples studio num bairro popular, onde o  custa em média 10 mil euros . E a conta fica ainda mais salgada se o comprador se aproximar de bairros mais elitizados, como os bairros 6, 15 e 16, onde   pode ultrapassar facilmente os 14 mil. 

Alugar em Paris

Se comprar um imóvel na capital francesa está difícil, alugar também também pode ser um verdadeiro combate. Com  poucos apartamentos disponíveis, se tornar locatário de um imóvel de 31  custa em média 1.126 euros (mais de 5 mil reais), ou seja, 36 euros o metro quadrado, em média. 

Mais a conta pode ficar ainda mais salgada nos bairros mais centrais, como 2º, o 3º e o 8º arrondissement, onde o aluguel por   ultrapassa facilmente os 42 euros. 

Inflação imobiliária?

De acordo com especialistas, a alta nos preços em Paris não é uma novidade, pois eles vem progredindo há décadas, com uma aceleração nos últimos 10 anos. No ano passado, por exemplo, alguns bairros da capital francesa apresentaram alta de 8%. 

Paris é hoje uma das cidades mais importantes da Europa e o turismo é apontado como uma das causas da valorização dos imóveis parisienses. A chegada de sites de locação de imóveis, como o Airbnb, por exemplo, persuadiu muitos proprietários a locar seus imóveis para turistas. Como a procura e os ganhos são mais altos neste tipo de locação, os preços foram puxados para cima, forçando a prefeitura de Paris, há cerca de 4 anos a regulamentar o preço dos alugueis para priorizar os habitantes da capital. A medida até chegou a frear o aumento dos aluguéis, mas mesmo assim a valorização imobiliária continua a progredir.

Outra causa apontada pelos especialistas que pode explicar alta dos preços de 8% em um ano é a incerteza provocada pelo "Brexit". O mercado imobiliário parisiense vem constatando uma forte procura de cidadãos europeus que vivem em Londres, alavancando os preços para cima. 

Mas mesmo com estas altas, especialistas dizem que investir em Paris continua sendo um negócio seguro e que o setor imobiliário da cidade luz não apresenta sinais de "bolha", como há alguns anos na Espanha, pois o mercado na capital francesa sempre se comportou desta maneira, variando com altas e períodos de estagnação. 

E como os franceses fazem para comprar em Paris?

Com preços acima de seu poder de compra, muitos parisienses estão cruzando as fronteiras da periferia em busca de apartamentos maiores e com preços mais atrativos. Pequenas cidades como Pantin e Montreuil, no leste parisiense, viram suas populações aumentar  e mudar drasticamente com a chegada de novos moradores vindos da capital. 

Em Pantin, por exemplo, uma cidade banhada pelo Canal de l'Ourcq e colada ao bairro 19 da capital, o preço dos imóveis mais que duplicou em dez anos. Mesmo assim, continuam mais interessantes que em Paris, com o preço do metro quadrado girando em torno de 6 mil e quinhentos euros. 

Esta atratividade vem fazendo antigos moradores de Paris se instalarem em Pantin, antes conhecida como uma modesta cidade industrial, que durante os anos 80 e 90 era praticamente habitada por trabalhadores imigrantes. Estes parisienses buscam atratividade financeira, proximidade à capital e imóveis maiores, principalmente famílias com crianças, que precisam de espaço e apartamentos mais modernos, com parking e elevador, algo raro e caro de se ter em Paris intramuros. 

Além da proximidade com Paris, cidades como Pantin e Montreuil, contam com boa infraestrutura de transportes, sendo cobertas pelo metrô e trens, o que possibilita chegar ao centro da capital em menos de 20 minutos. 

Preço de compra do metro quadrado em Paris

segunda-feira, 22 de abril de 2019

Espaço naturista reabre em Paris para verão 2019

Uma das entradas do espaço naturista no Bois de Vincennes, em Paris.
Sem muito alarde, pelo 3º ano consecutivo, foi reaberto no último dia 13 de abril, o espaço naturista no Bois de Vincennes, em Paris. São 7.300 metros quadrados dedicados ao naturismo dentro da capital francesa. Nosso blog foi conferi de perto o espaço e conta tudo para você nesta postagem.

Para começar, o espaço naturista está dentro de uma clareira, entre os caminhos "allée Royale" e a rota "Dauphine". Pegando a linha 1 do metrô, basta seguir pela Route Royale, após as muralhas do Castelo de Vincennes. Do castelo até o local são mais ou menos 2 quilômetros de caminhada. A localização exata você encontra clicando aqui

Chegando lá, constatei um enorme espaço verde, com grama e cercado por um bosque. O local, apesar de ser de fácil acesso, está bem protegido do olhar de curiosos (mesmo assim alguns deles passam fingindo estar meio perdidos, mas nada que incomode). Quase 100% dos frequentadores estavam pelados, mas pode-se frequentar a área vestido, sem qualquer problema. 

Quanto ao público é mixto, mas a esmagadora maioria é composto de homens gays. Talvez o público gay predomine em virtude deste espaço já ter sido uma área gay não oficial dentro do bosque de Vincennes. Com a abertura do espaço naturista, o público LGBT, que já se bronzeava nesta clareira (de roupa) simplesmente se apropriou de um espaço que já lhes "pertencia". 

Com relação à infraestrutura, achei um pouco improvisada. Faltam duchas e lixeiras, por exemplo. Como o local é um pouco isolado é preciso levar bastante água e algo para comer caso pense passar o dia. Acredito que pelo menos uma fonte de água potável deveria ser instalada no local. Mas por enquanto, nenhuma previsão por parte da prefeitura de Paris. 

6 coisas que você pode fazer no Bosque de Vincennes, em Paris

São quase 1 mil hectares de puro verde ao lado de Paris e acessível de metrô (linhas 1 e 8): este é o Bois de Vincennes, um bosque verde dentro de Paris, uma espécie de "Central Park" francês, com atrações para todos os gostos e públicos. 

Nosso blog listou 6 coisas que você pode fazer neste lindo bosque, que antes da construção de Versailles, era o preferido dos reis franceses, que praticavam principalmente a caça, quando resolviam fugir um pouco da agitação do centro de Paris.

1. Visite o castelo de Vincennes


Um dos lugares mais incríveis de Paris é sem dúvidas o Castelo de Vincennes, o único castelo da idade medieval da região parisiense, construído por volta de 1363 e que está em excelente estado de conservação, sem ter tido sua arquitetura modificada.

O castelo tem a arquitetura semelhante a antiga prisão da Bastilha, que foi destruída durante a revolução Francesa. Abrigou reis e rainhas como Charles V e Marie de Médicis. 

Visitar o castelo custa 9 euros e o horário é de 10h00 às 18h00. Vale lembrar que o castelo não é mobiliado, mas a visita vale super a pena pela arquitetura medieval em perfeito estado. A forma mais rápida de chegar ao castelo é através da linha 1 do metrô, ultima estação, Château de Vincennes. 

2. Zoológico de Paris



Está com crianças e em dúvida do que fazer? Que tal dá uma passadinha no Zoológico de Paris, dentro do Bois de Vincennes? Inaugurado em 1934, o zoológico esteve fechado por 6 anos e foi reinaugurando (completamente renovado) em 2014. 

São 14,5 hectares, com mais de 1000 animais e 170 mil espécies de plantas de todos os 5 continentes. O ingresso para visitar o zoológico custa 20 euros adulto e 15 crianças. 

A forma mais prática para chegar lá é através da linha 8 do metrô, estação Porte Dorée. Para informações de horários, clique aqui.  

3. Parc Floral